Termalismo no Brasil : Revista Época

Revista Época
EXCLUSIVO ONLINE





O poder da água


Mesmo com sua extinção sendo colocada em pauta, a água se tornou sinônimo de bem-estar e de vida saudável. Os benefícios dos sais minerais presentes na água mineral (extraída diretamente da fonte), assim como a preocupação com a obesidade são fatores que ajudaram a alavancar o mercado. Segundo o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), no Brasil, esse setor movimenta anualmente cerca de R$ 500 milhões e US$ 50 bilhões em todo o mundo. Segundo relatório da Indústria de Águas Minerais (Abinam), em 2004, o consumo per capita de água mineral atingiu 30,5litros/ano. Um total de 5,3 bilhões de litros.


A água termal se diferencia da água mineral por possuir uma comprovação histórica de seus resultados terapêuticos, segundo o geólogo Fábio Lazzerini, diretor da Sociedade Brasileira de Termalismo. Existe uma diversidade muito grande de estâncias termais pelo país. “Hoje, o turismo de saúde tomou um novo caminho”, diz Lazzerini. Segundo ele, as pessoas saudáveis não iam às termas por associá-las a doenças. Por isso, na Europa, há spas próximos às termas e termas específicas para tratamentos terapêuticos. No Brasil o caminho parece que será o mesmo. Há termas de padrão internacional, entre elas, Poços de Caldas, em Minas Gerais, Caxambú, em Minas Gerais, Caldas da Imperatriz, em Santa Catarina e Águas de Lindóia, em São Paulo.


O termalismo hoje é considerado pela Organização Mundial da Saúde como medicina complementar e mais recentemente no Brasil por meio da portaria do Ministério da Saúde/GM 971 o uso de águas minerais de maneira complementar aos demais tratamentos de saúde. “Pacientes do SUS já podem utilizar a terma de Caxambú. Na Alemanha e na Itália o governo já banca a população a utilização do termalismo como terapia”, diz Lazzerini. O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo reabriu em 2005 o centro de hidroterapia para o sistema público. O centro é uma divisão de Medicina de Reabilitação do hospital, considerada uma das melhores do país. “Hoje em dia fazemos trabalhos com hemofílicos e o ganho da mobilidade da articulação se dá apenas pelo fato de estarem imersos a água”, comenta o supervisor da equipe de divisão de medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas, Maurício Garcia. “Na piscina a pessoa ganha uma capacidade de auto-valorização. Pois ao entrar, sua deficiência fica de baixo da água”, afirma.


A seguir as algumas das estâncias hidrominerais brasileiras:


 


Caxambú, Minas Gerais:
A cidade de Caxambu possui um parque das águas que conta com 12 fontes de águas minerais com alto poder diurético e desintoxicante. Entre as fontes está a D. Pedro, rica em gás carbônico sua água estimula os órgãos digestivos eliminando perturbações gastrintestinais. Outra fonte, conhecida como Ernestina Guedes é indicada para o tratamento de afecções da pele;
http://www.caxambu.mg.gov.br/


Poços de Caldas, Minas Gerais:

Possui balneários para banhos sulfurosos com propriedades descongestionante, sedativa, anti-alérgica, cicatrizante e também expectorante. Um dos maiores atrativos do município são as Thermas de Antônio Carlos que se encontram na área central da cidade. Um dos balneários mais conhecidos da América Latina.. Assim como as thermas, o balneário Mário Mourão é destinado para banhos de imersão que são realizados em cabines individuais. A água utilizada nos banhos sai diretamente da fonte a uma temperatura de 41C.
http://www.pocosdecaldas.mg.gov.br/


Araxá, Minas Gerais:
As águas das de Araxá são conhecidas por sua propriedade radioativa e sulfurosa. No hall de entrada há um conjunto de oito vitrais, que resumem a história de Araxá. As termas oferecem banhos em banheiras individuais, com duração de até 20 minutos. O banho de Pérola é um dos mais famosos. O procedimento acontece dentro de uma banheira, que possui um estrado de madeira no fundo para distribuir o jato de ar. Com isso, ele é capaz de agitar a água produzindo bolhas que massageiam todo o corpo. A piscina emanatória também é um dos atrativos mais conhecidos do local. Aquecida a 37 graus, ela é revestida de azulejos pintados à mão e sua água é radioativa, produzindo um efeito relaxante e ideal para combater o stress. A piscina é envolta por grandes janelas de vidro, que dão vista para os jardins projetados por Burle Marx. A principal fonte é a Dona Beja localizada entre pedras vulcânicas, onde brota água mineral, cujas propriedades ativam o metabolismo e estimulam a ação diurética, atuando como desintoxicante. http://www.araxa.mg.gov.br/

Águas de Lindóia, São Paulo:
Considerada a capital termal do Brasil a cidade de Águas de Lindóia possui um balneário responsável pelo surgimento da cidade. As fontes de águas quentes possuem propriedades oligominerais, consideradas leves e de baixa acidez e facilmente absorvidas pelo organismo. Suas águas, portanto, são ótimas para o tratamento de cálculos renais, eczemas, cefaléia, artrite, reumatismo, entre outros. O Balneário Municipal de Águas de Lindóia possui fontes como a São Roque, Santa Filomena e Glória. Além delas, possui piscinas de água mineral. Entre os banhos oferecidos está o de imersão, que auxilia no controle de hipertensão e é considerado um tratamento complementar no caso de eczemas, rinites alérgicas e asma. Além do banho de imersão, há o procedimento Stangerbad, indicado para casos de artrose, gota, contratura muscular, formigamento das extremidades, assim como perda da força muscular e stress.
http://www.aguasdelindoia.com/




Ranking dos países mais importantes em Estâncias Hidrominerais:
1- França site oficial do Termalismo Francês www.france-thermale.org
2- Itália Federação da Indústria termal www.federterme.it
3- Espanha Associacion Nacional de Estaciones Termales www.balnearios.org
4- Portugal www.termasdeportugal.pt
5- Cuba Centervisa



http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG78668-5856-483,00-O+PODER+DA+AGUA.html


20/08/2007 - 14:46

Edição nº 483









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estâncias Hidrominerais do Brasil

Palestra sobre Metenergia, Ciência e Pseudociência no dia 9 de junho

III CONGRESSO IBEROAMERICANO DE PELOIDES Ponta Delgada, Ilha de S. Miguel, Açores, Portugal